Política de Cotas. Uma política ineficiente e injusta


Vivemos um momento conturbado, talvez um dos piores, politicamente. Crise financeira, corrupção, escândalos e mais escândalos. Isso, claro, afeta a vida de cada brasileiro. Os reflexos da corrupção e toda crise política é a pobreza da população que sofre pela falta de saúde, segurança e educação. Tentam maquiar isso com vários sistemas frágeis e ineficientes. Pra cada área podemos observar ao menos um programa.

Na saúde: SUS. Um programa completamente ineficiente que não possui organização digna de uma instituição de saúde. Um sistema precário que atende pobres que não têm outra solução a recorrer. Tal sistema é culpado por mortes filas de espera.
Na Cultura: Lei Ruannet. Que todos sabem que servem pra promover projetos de ideologias comunistas e mamar o governo.
Na segurança: Lei do desarmamento. Tal lei não me pareceu fazer efeito desde que foi criada. Vemos a cada ano que passa inúmeras mortes por armas de fogo, ou seja, há uma guerra oculta e covarde entre o cidadão e bandidos na qual o cidadão é obrigada lutar sem defesa alguma.

Mas o programa que quero ressaltar hoje é o da educação. Ela também tem um programa que mascara uma boa finalidade quando na verdade é só mais uma gambiarra do Brasil: Política de cotas.

O Brasil precisa rever a sua política, quando se trata de educação. Deve-se estudar qual é a classe que realmente está se beneficiando e focar na classe que fica pra trás. Infelizmente, não é isso que a política de cotas faz.

Na minha opinião, é indiscutível que os negros sofrem preconceito. Não é mimimi, é realidade. Porém a política de cotas não chega a ser justa quando uma pessoa que não estudou entra na faculdade só por ser afrodescendente. Entendo a essência da política, porém acho que ela deva ser aperfeiçoada. Na crise em que se encontra o Brasil, não é só o negro que não tem condições de ingressar uma faculdade, há brancos pobres que também não podem. Ou seja, acho que a discussão vai além da cor de pele, a discussão deveria ser em volta do poder aquisitivo do indivíduo. Um negro pode ser rico e entrar na faculdade tanto quanto um branco pode ser pobre e inteligente. Se houvesse uma política parecida com a de cotas que funcionasse da mesma maneira pra todos não da cor e mas sim da renda, seria um pouco mais justo.

Outro ponto a ressaltar é a questão da burocracia. O governo sempre deixa a desejar quando vai ajudar o cidadão pobre pela falta de estrutura. Uma solução é começar a desburocratizar os métodos de ingresso em faculdade pública e privada quando beneficiário for estudante bolsista. O diferencial de um país desenvolvido é justamente a facilidade do cidadão de bem conseguir crescer de forma rápida, justa e igualitária juntamente com o Estado. Definitivamente, burocracia é perca de tempo e é um demonstrativo da incompetência da liderança de uma nação.

Comentários

Mais acessados da semana: